26.8.11

Deus, pare de sair dando carros por aí...

Em nossas cidades já não cabem mais carros, e a cultura de que cada membro da família deve ter um está cada vez mais forte. Não bastasse a facilidade que é comprar um hoje em dia, Deus ainda anda por aí distribuindo a máquina pra um monte de gente.

Tem um comercial de carros em que uma senhora diz: "eu adoro a ford, lá em casa todo mundo tem ford". Daqui a pouco a solução pra diminuir o número de carros vai ser o controle de natalidade...


Quantos amigos você tem na sua rua? Uma pesquisa em San Francisco diz que  se você mora numa via de trânsito leve você tem 3 amigos e 6,3 conhecidos na vizinhança, mas se você mora numa rua de trânsito moderado são 1,3 amigos e 4,1 conhecidos. Agora, se você mora no meio do trânsito pesado, 0,9 amigo e 3,1 conhecidos. E esse dado foi lido num livro de 1997 (Cidades para um pequeno planeta, Richard Rogers).

Dificilmente algum chefe de família hoje gostaria de ter um carro mas não pode. Os financiamentos permitem que praticamente qualquer um com uma renda fixa (ou nem isso) possa ter um carro, queira Deus ou não. Como convencer, então, uma parcela da população a não usar o carro diariamente? Claro que isso só acontece lentamente, mas subir viadutos e duplicar avenidas vão no sentido contrário, porque são um estímulo e um convite ao uso do carro.

Quem sabe num dia em que a cidade volte a ser vivenciada no âmbito público, com espaços seguros e saudáveis de convivência e senso de comunidade, algumas pessoas parem de pedir um carro a Deus e voltem a pedir paz no mundo, saúde aos filhos, essas coisas mais tradicionais... Coitado de Deus, deve ter estourado todos os limites do cartão de crédito celestial.

3 comentários:

Plante Árvores disse...

Ótimo texto, adorei especialmente a ironia com os "presentes de deus" :)

canaldaagamenon disse...

Obrigada! Esses "presentes de deus" sempre me encucaram pela total incoerência que vejo em associar deus a bens materiais como carros... Daí surgiu esse post!

Anônimo disse...

Deus poderia dar transporte público funcional/decente. Depois disso ele poderia começar a racionar a entrega dos carros.